Quando as mãos se inquietam

Debora compartilha buscas e encontros com as artes-manuais e a educação

As mãos

Estas são minhas mãos aos 40.

Elas ansiavam uma mudança.

Não sei, algo incomodava.

Era preciso fazer alguma coisa com elas, além de lavar, passar, cozinhar.

Embora ame cuidar de minha casa e dos meus...

Mas, elas queriam algo a mais.

Tecer, coser, bordar...

Inquietude na alma do ser...

Os encontros da alma

"...descobri que a busca da alma era pela minha ancestralidade, as artes-manuais uma meditação ativa..."

Tomada a decisão de começar o curso de pós-graduação em Artes-manuais para educação. Mas, para quê? Por quê? Artes-manuais...? Um desejo enorme tomou conta de mim e após a entrevista, ingressei.

Uma casa, várias mulheres, um ensinamento que se desdobrava para cada uma ali... Ao entrar, sentia o cheiro da casa da minha avó. Ao longo do curso, descobri que a busca da alma era pela minha ancestralidade, as artes-manuais uma meditação ativa para colocar minha mente no rumo certo em todas as áreas da vida... Desde a profissional até a amorosa.

Sim, aprendi a me amar para depois amar o outro. Além disso, teóricos a todo momento davam nome para sensações, intuições, indagações e práticas que permeavam minha trajetória de vida e profissional.

"...é um redescobrir, desvelar de uma potência que você tem e nem faz ideia do que ela é capaz."

Enfim, como professora da rede pública, utilizo os conhecimento que adquiri como especialista em Artes-manuais em Educação para que as crianças, professores e pais achem o fio da meada de suas vidas através da linha e a partir daí, decidam se querem rasgar, consertar, remendar,